A partida dos homens

Meu convidado de hoje para aquele café deliciosamente autoimposto de depois do almoço foi ninguém menos que o filósofo Friedrish Nietzsche. Até o momento nosso contato fora meramente esporádico, por intermédio de algumas páginas de “Além do bem e do mal” e pela leitura e releitura de “Schopenhauer como educador”, uma casual e grata surpresa saltada das prateleiras da Livraria Cultura num de meus passeios por entre os livros.

Encontramo-nos na Livraria Sebinho. Ele chegou “Humano, demasiado humano” para não perceber o êxtase com que comecei a devorar-lhe a capa. Sua escrita, de extrema elegância, sedutora e atraente me capturou nas linhas iniciais.

Aquele que proclamou: “Não sou um homem, sou uma dinamite”, disse-o bem. Explosão!

Senti-me o ser de “espírito-livre” que, em não existindo de fato, Nietzsche criou hipoteticamente para fazê-lo seu amigo. Aquele com quem podemos conversar e rir, nos momentos em que queremos conversar e rir, mas também podemos mandá-lo para o outro lado do planeta quando não estamos a fim de papo nem de nada. Tudo bem que fosse assim! O espírito-livre compreenderia.

A leitura estava tão instigante que até aceitei o oferta do garçom, mesmo diante da ameaça ao meu primeiro dia de dieta: “A senhorita aceita um brigadeiro?” Saborear um doce enquanto lia era a promessa do mais perfeito gozo corpo-espírito. Juntos numa só comunhão. Aceitei o gozo.

E como se mudamente eu pedisse para que aquela plenitude fosse logo embora antes que morresse de satisfação e de felicidade, eis que meu desejo foi atendido e o silêncio que me rondava gravemente interrompido.

Duas mulheres se sentaram na mesa ao lado. Uma delas não falava, gritava. Enquanto se exaltava e contava pormenores de sua vida em alto tom, eu mexia e revirava na cadeira, a encarava um pouco como quem diz “menos”, levantava o livro até a altura dos ombros na tentativa de que “se mancasse” e falasse mais baixo. Tudo em vão. Ela parecia pensar: “Agora mesmo é que vou berrar”.

Preferi não continuar o confronto mudo que iniciei e me pus a escutar a conversa. Contava para a amiga que havia se casado há um ano com outra mulher, mas que não se sentia aceita, amada, acolhida. Que a esposa não lhe dava atenção e preferia sair na companhia da irmã enquanto ela ficava de escanteio. Então, a sua criança interior esperneava. Ela contara à terapeuta e chegaram a conclusão de que fora uma menina carente em decorrência do desvio da atenção dos pais quando nasciam os irmãos. E reclamava de pessoas que não a escutavam, não lhe atendiam, não davam ouvido aos seus apelos. Estava visivelmente em desespero de causa. E falava tanto e mal de outras pessoas que, se fosse eu a esposa, o casamento teria durado apenas um dia.

Olhei para o seu prato, que estava muito cheio, e pensei: Essa prosa vai demorar é muito ainda. Saí e fui à procura de outro lugar mais tranquilo para continuar a conversa com Nietzsche.

Fui à Livraria Cotidiano e, mal havia lido duas páginas, chegaram quatro homens muito bem trajados e de semblantes alegres e serenos. Cumprimentaram-me, sentaram-se na mesa ao lado e, ao perceberem que eu estava lendo, não falavam, sussurravam.

Dessa vez, eu mesma quis ter o prazer de escutá-los. Tive de me esforçar, pois além de fingir que continuava lendo, falavam muito baixo. Nietzsche que me esperasse até mais tarde.

Eles discutiam negócios e brincavam uns com outros. Depois trouxeram para o centro da mesa uma pessoa que não estava presente. Diziam: ele é muito competente, sério, inteligente. O outro: o cara é confiável, já trabalhei com ele. Muito comprometido, tem postura. Ele é bom. De repente, sobre uma colega de trabalho: faça tudo que ela disser, pois além de competente… E deram risada. Eu entendi. Faça tudo conforme ela disser, sem medo, repetia outro.

Que conversa gostosa e bem humorada! Em momento algum reclamação, desespero, maledicência, crítica. Saíram de lá com a mesma serenidade com que entraram.

Não sei por que me ocorreu agora lembrar-me de uma entrevista em que Elke Maravilha diz que vivia numa casa com muitas mulheres, mas não gostava daquele ambiente onde ouvia muitas fofocas, indiretas e maldades de umas contra as outras. Então, pediu ao pai que a levasse para as pescarias que ele fazia com os amigos. Adorava estar entre os homens, pois os considerava brincalhões, leais entre si e mais verdadeiros.

Após a partida dos homens, fiquei encostada no sofá. Pensativa. Comecei a folhear o livro, aleatoriamente. Deparo-me com uma página em que salta aos olhos o título “Mulheres no ódio”, cujo início li: “No estado de ódio, as mulheres são mais perigosas que os homens…”. Fechei rapidamente o objeto.

Quem sabe um dia convide o filósofo para mais um café! Por enquanto, quero ficar entre aqueles que são humanos, demasiadamente humanos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: