Tratado sobre elegância

Talvez muitos pensem apenas no quesito vestimenta quando se fala em elegância. Não raro, notamos o quanto uma pessoa é elegante pela roupa que veste somada à sua postura corporal. No entanto, ela vai muito além da roupa que usamos e da posição ereta e altiva que adotamos. Elegância abrange, sobretudo, o comportamento.

Ela parece estar estreitamente ligada a uma certa simplicidade, discrição e delicadeza na apresentação, nos gestos e nas ações. Estardalhaços, gritos, indiscrição, fofocas, agressividades e inconveniências são coisas que minam a elegância de qualquer pessoa, ainda que sua beleza seja estonteante.

Ao procurar o termo no dicionário encontramos várias significações que compreende desde questões relacionadas às vestes, ao porte, ao decoro, até aquelas que sugerem ser ela algo ligada à esbelteza ou à magreza. Ou seja, além de ser demonstrada por meio de comportamentos, ela também é denunciada pela forma com que o físico é apresentado.

Ainda que neguem, somos a união inseparável de corpo e espírito. E a despeito da denúncia referente à escravidão aos padrões de beleza, ninguém há de negar que nos sentimos melhores quando estamos mais magros. Persigo um corpo esbelto não porque há alguém com uma arma apontada para a minha cabeça obrigando-me a ser magra, mas porque me sinto mais bonita e confiante quando as partes do meu corpo se ajustam às minhas roupas sem quaisquer sobras. Nenhuma ditadura da beleza há de vencer os meus próprios mandos no sentido de impor-me a aparência que melhor me apraz. E por falar nesse assunto, gosto muito dos dizeres de Clarice Lispector: a boa aparência faz com que a pessoa se sinta mais feliz e com um sentimento de segurança que muito a ajudará na vida. A boa opinião que fazem de nós é na realidade muito mais importante do que admitimos a nós mesmos.

Quando nos vestimos temos a oportunidade de demonstrar a elegância que mora em nós. O ato de vestir é um momento em que podemos exteriorizar todo o requinte que nos habita. A roupa muito curta, decotada ou justa não fica bonita em todos os corpos e muito menos é aconselhável para todas as ocasiões. E embora queiramos derrubar muitas fronteiras que nos separam, convenhamos que esse tipo de modelito não combina para todas as idades.

Clarice diz ainda que elegante é aquela que escolhe a discrição e valoriza os detalhes. Para a escritora, a mulher elegante é discreta e usa também de discrição no vestir-se, no maquilar-se, nos gestos, na voz e até mesmo nas opiniões. Nada é tão deselegante quanto o comportamento de pessoas que buscam impor seus pensamentos como única verdade possível. Pessoas grosseiras, agressivas e intolerantes jamais serão vistas como símbolo de elegância.

Constanza Pascolato em seu livro A elegância do agora discorre sobre comportamentos que devem ser evitados, principalmente quando nos relacionamos com o outro. Não invadir o espaço alheio, não fazer perguntas íntimas ou indiscretas, cumprimentar as pessoas (não precisa abraçar e beijar, desde que você não as ignore ou finja que não as viu), evitar gestos demasiados e falar sem parar, bem como gritar, uma vez que as pessoas não são surdas.

Além disso, sugere que há hábitos a serem ensinados desde criança: não falar alto, não interromper quem fala, não se atrasar, não reclamar e não fazer perguntas indiscretas. É um dever dos pais ensinarem bons modos a seus filhos, mas para isso eles devem dar o exemplo.

O contrário de elegância é o exagero. Nós podemos demonstrá-la em todos os atos externos que executamos, na maneira como nos vestimos, como organizamos a nossa casa, como nos relacionamos com outras pessoas, como discutimos e discordamos.

Em uma de suas definições sobre vida elegante, Honoré de Balzac diz que é a arte de despender as suas rendas como homem de espírito. Isso demonstra que elegância é intrínseca, mas que se externa das mais diversas formas. Ainda afirma que não basta ter se tornado ou nascido rico para levar uma vida elegante: é preciso ter o sentimento disso.

Sólon escreveu: Não pose de príncipe se você não aprendeu a sê-lo.

A elegância se faz notar em atos externos, mas vem de dentro, e há quem diga que alguém pode até se tornar rico, mas que já se nasce ou não elegante.

Elegância diz respeito à harmonia com a qual dispomos de todo o conjunto que nos rodeia. Ser elegante é um diferencial numa época em que as pessoas não se escutam, não se olham, não se percebem e falam pelos cotovelos. Para ser elegante, precisamos antes de mais nada nos subtrairmos de nossos excessos.

Assim, uma vez que é elegante aquele que usa de poucas palavras, termino esse texto breve no qual me despojo de toda prolixidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s