Fragmento

Eu quero a vida nua e crua. Quero matar as sedes bebendo de minhas próprias águas. E que toda alegria e toda dor que eu sentir venha de meu próprio ser nascendo, crescendo e morrendo. E que toda força e coragem para viver não nasça da ideia de que há um filho a criar. Que toda eu seja causa e consequência de mim mesma. E que quando eu morrer nada mais reste. Quero a vida que se iniciou no ventre da mãe e que vai acabar com a minha inexistência. Quero me levar toda e não deixar partes minhas espalhadas por aí. Que a minha razão de viver se ache toda dentro do meu mundo. É forte aquele que resiste até o fim alimentando-se de suas fontes internas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s