Narciso é um personagem da mitologia grega que simboliza o extremo da vaidade. Excessivamente belo, ele se apaixona por sua própria imagem e acaba se definhando ao voltar-se para si mesmo com o seu desmedido amor próprio.

Sigmund Freud retoma o mito de Narciso e o utiliza para conceituar como narcisistas aqueles indivíduos que supervalorizam a si mesmos, principalmente no que diz respeito à imagem. Afinal de contas, Narciso se encantou profundamente com a beleza que via refletida no espelho. E, diante disso, nem mesmo as mulheres conseguiam seduzi-lo, uma vez que estava mergulhado e enfeitiçado pela sua própria pessoa. Assim, foi devorado pela vaidade das vaidades.

Caetano Veloso também se utilizou do mito para cantar é que Narciso acha feio tudo o que não é espelho. E quando ouvi atentamente esse trecho da música imaginei algo que transcende a imagem. É que Narciso acha feio tudo o que não é espelho aparenta retratar todas as coisas que negamos ou criticamos quando elas destoam daquilo que somos, fazemos ou pensamos.

Não sei qual a real intenção do compositor ao escrever a canção, mas ao escutá-la me parece que Caetano foi além da mitologia e da psicologia freudiana para acusar não apenas aqueles que se comprazem ao olhar e admirar o espelho, mas todos nós que só aprovamos ou gostamos de algo ou de alguém que reflete os nossos gostos e o nosso próprio eu.

Aquilo que de algum modo não nos representa é afastado, duramente criticado e marginalizado.

A massificação de comportamentos e modos de vida demonstra que o ser autônomo em relação a si mesmo perde totalmente a vez em todos os setores, inclusive nos ambientes familiares, onde aqueles que não seguem uma cartilha são considerados ovelhas negras. Afinal de contas, é de bom tom que todos sejam brancos e imaculados.

É que somos todos Narciso e achamos feio os pecados que divergem dos nossos, as escolhas que não se coadunam com aquelas que optamos, o corpo que não se ajusta aos nossos desejos, os sabores que não agradam o nosso paladar, a roupa que não vestimos, os lugares que não frequentamos, as melodias que não escutamos, os livros que não lemos e tudo o mais que não nos é apropriado.

É que Narciso acha feio tudo o que não é espelho. Eu também acho. Tu achas, ele acha e nós achamos, afinal de contas, somos todos Narciso.

Publicado por:leiturana

Meu nome é Ana Veiga, moro em Brasília e tenho paixão pela leitura e pela escrita. Ler e escrever são para mim "vícios desde o início". Leio por prazer. Escrevo por necessidade. E, nesse espaço, quero compartilhar com vocês os maiores ensinamentos que extraio dessas leituras. Espero que gostem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s