Há muito tempo, resolvi andar nua em casa e pelas ruas. Não quero poder, nem cargos, nem títulos. De que me serviriam todas essas coisas se nada posso fazer diante da dor de uma pessoa amada?

Que adiantaria o diploma de medicina se não posso fazer uma cirurgia para arrancar a tristeza de um coração? Para que o cargo de juiz se não é possível manter alguém sob cárcere privado para fazer companhia a quem quer que seja? E que espécie de poder permitiria que eu impusesse a alguém agir contra a vontade?

Por um segundo, desejei possuir a onipotência divina para mudar a ordem da vida. Não quero aceitar essa vulnerabilidade de criatura que nada pode fazer diante do inevitável. Quero dizer: Haja luz! e, só com o verbo, dissipar todas as trevas dos corações daqueles que amo.

Hoje, apenas quero ser Deus e mais nada. Não é por prepotência ou arrogância. Eu só pretendo acabar com a dor de quem sofre. No entanto, estou despida, assim como vim ao mundo, e a única coisa que posso fazer é balbuciar uma prece, confiar na Providência.

Publicado por:leiturana

Meu nome é Ana Veiga, moro em Brasília e tenho paixão pela leitura e pela escrita. Ler e escrever são para mim "vícios desde o início". Leio por prazer. Escrevo por necessidade. E, nesse espaço, quero compartilhar com vocês os maiores ensinamentos que extraio dessas leituras. Espero que gostem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s