Nem todas as mães são felizes

A primeira coisa que me uniu a Cazuza foi o sentimento comum que ambos sentíamos pelas nossas avós. Como assim? Um certo dia, estava ouvindo canções interpretadas por Ney Matogrosso, meu cantor preferido, e uma delas me chamou muito a atenção, porque me remeteu à lembrança de minha avó materna, falecida à época. Hoje eu acordei com medo, mas não chorei, nem reclamei abrigo. Do … Continuar lendo Nem todas as mães são felizes

A prova de que dois mais dois são cinco

Não se trata de loucura quando lhes digo que tenho provas nítidas de que dois e dois são cinco. Embora não me considere um gênio em matemática, afirmo-lhes que, pelo menos a tabuada, tratei de decorar nas primeiras séries do primário. Aprendi erroneamente que dois e dois são quatro. Professora alguma corrigia esse impropério ao som firme de minha voz que respondia, quando perguntada: “Quanto … Continuar lendo A prova de que dois mais dois são cinco

A pornografia e outras provocações

A leitura, apesar de sua importância para a compreensão de si mesmo, do outro e do mundo, não figura como uma das principais atividades de lazer dos brasileiros. Sabe-se que acessar a internet, ouvir músicas e sair com os amigos ocupam muito mais as nossas horas vagas e causam muito mais prazer à maioria das pessoas do que sentar por algumas horas e enfrentar o … Continuar lendo A pornografia e outras provocações

Somos todos Narciso

Narciso é um personagem da mitologia grega que simboliza o extremo da vaidade. Excessivamente belo, ele se apaixona por sua própria imagem e acaba se definhando ao voltar-se para si mesmo com o seu desmedido amor próprio. Sigmund Freud retoma o mito de Narciso e o utiliza para conceituar como narcisistas aqueles indivíduos que supervalorizam a si mesmos, principalmente no que diz respeito à imagem. … Continuar lendo Somos todos Narciso