A nobreza de dar amor ao ser que não geramos.

Sou a única mulher dentre os três filhos de minha mãe. E a mais velha. Isso em nada me aflige, pois significa ser a primeira das esperas e, de um certo modo, representou a oportunidade de experimentar sentimentos maternais, os quais, a vida inteira, nutri pelos meus dois irmãos. Nunca os invejei, quer pelo porte, vigor ou beleza que a natureza os imprimiu e do … Continuar lendo A nobreza de dar amor ao ser que não geramos.

O menino maluquinho, de Ziraldo

A criança tem a fantasia solta. E ela não tem as preocupações que nós, adultos, temos. Além do mais, a criança não tem medo do ridículo, enquanto nós, adultos, tememos a opinião alheia. E a criança sente e não se indaga a respeito do que sente. Adultos, estamos sempre questionando o porquê de sentirmos isso ou aquilo. Como adultos, temos medo da tão almejada felicidade. … Continuar lendo O menino maluquinho, de Ziraldo

O livreiro, de Pedro Herz

Eu estava andando a olhar os livros nas prateleiras da Livraria Cultura e, para a minha surpresa, deparo-me frente a frente com Pedro Herz. Alguns minutos depois, percebo que há, no local, um movimento atípico e incomum. Dirijo-me a um funcionário e pergunto o motivo daquele burburinho. Ele informou que, logo mais, ocorreria o lançamento de um livro, cujo autor era o próprio Pedro. Resolvi … Continuar lendo O livreiro, de Pedro Herz

Passa o tempo

Creio que a prodigalidade tem me acompanhado há muito tempo, pelo menos desde o momento em que tomei consciência da transitoriedade da vida. Por algum motivo, antes oculto e agora revelado, pensava que não era certo viver para economizar qualquer espécie de coisa. Diante de uma dúvida sobre que decisão tomar ou qual o melhor caminho a seguir, a minha reflexão girava em torno dessa … Continuar lendo Passa o tempo

Explosão de alegria

Chorar nunca foi uma das minhas marcas durante a vida. Choro muito pouco e, quando as lágrimas brotam, costumam ser decorrentes daquele período em que o corpo da mulher se prepara para receber um filho e ele não vem. Portanto, meu choro, quase sempre, é de ordem biológica. Longe de alguém pensar que não tenho lá as minhas emoções. Tenho sim e aos montes, mas … Continuar lendo Explosão de alegria

Vamos conversar sobre autoestima.

Um dos pensamentos mais impressionantes é aquele que nos certifica de que, embora haja mais de sete bilhões de pessoas no mundo, não há absolutamente uma que seja igual a outra. Isso significa, literalmente, que somos únicos e que não existe DNA ou impressão digital como a nossa impressa em qualquer outro canto do planeta. Se isso não te causa no mínimo espanto, a mim … Continuar lendo Vamos conversar sobre autoestima.

Por que escrevo.

Por que escrevo? Essa é uma pergunta que parece não possuir respostas absolutas e levanta inúmeras hipóteses. No entanto, procuro encontrar dentro de mim algum eco que configure pelo menos um indício para entender o motivo de dedicar horas da minha vida ao ofício de escrever. O desejo de escrever nasceu com o hábito da leitura. Aprendi a ler aos quatro anos e aos sete … Continuar lendo Por que escrevo.