Ir para conteúdo

O Rei Lear, de Shakespeare.

Cheguei a esse livro, como a Hamlet, por meio de uma palestra de Leandro Karnal. O Rei Lear não me surpreendeu mais que a Hamlet, apenas deixou-me no mesmo estado de lúcida embriaguez.

Lear é rei da Bretanha. Alegando velhice e proximidade de sua morte, resolve dividir o reino em três partes. Segundo ele, a divisão diminuiria o peso dos anos, livraria-o de todos os encargos, negócios e tarefas. Era preciso confiar o reino à forças mais jovens.

Posto que possuía três filhas, Goneril, Regana e Cordélia, o Rei põe-se a declarar: “Digam-me, minhas filhas – já que pretendo abdicar de toda autoridade, posses de terras e funções do estado, qual das três poderei afirmar que me tem mais amor, para que minha maior recompensa recaia onde se encontra maior mérito natural”.

Queria o Rei que as filhas falassem de seus sentimentos por ele. Mais que de demonstrações por meio de atos, o rei desejava palavras, palavras, palavras…

Parece que os seus muitos anos de vida e a convivência com as três filhas não foram suficientes para que ele pudesse observar, em atitudes, a filha que mais o amava e destinava-lhe maior atenção. Mas, se para o Rei, o conceito de amor consistia em ouvir  uma sinfonia melodiosa e enganosa, suas filhas puseram-se a falar.

Goneril, a mais velha, afirmou amá-lo mais do que pudesse exprimir quaisquer discursos. Regana poupou esforço e declarou amá-lo tanto quanto Goneril.

Terminadas as falas dessas duas, chegou a hora de Cordélia emitir a sua declaração. Ela disse: “Amo Vossa Majestade como é meu dever, nem mais nem menos”.

O Rei pede para Cordélia melhorar a resposta com o objetivo de não ter a sua herança prejudicada. Cordélia insiste em falar pouco, ao que o pai reage: “Tão jovem e tão dura?”

Cordélia: “Tão jovem, meu senhor, e verdadeira”.

Diante da sinceridade e franqueza de Cordélia, o Rei Lear decide retirar-lhe o dote. Ao vê-la desprovida de herança, o Duque de Borgonha desiste de se casar com ela. Mas, o Rei da França, reconhecendo que Cordélia tem mais valor que um simples dote, resolve levá-la consigo.

Ao se despedir do pai, Cordélia pede perdão por não possuir a arte pérfida e oleosa de falar sem sentir, pois o que sente faz sem precisar falar. O Rei Lear excomunga a filha e lhe diz: “Melhor que não tivesses nascido do que me seres tão desagradável”.

Desde as primeiras páginas do livro, associei-me a Cordélia por esta ser sábia, sincera e falar pouco. Sei que o preço da verdade pode ser a própria vida. Ainda assim, repudio a mentira, a arte da bajulação e da enganação.

Não demorou muito para que Goneril e Regana armassem contra o pai após a partilha. Com o poder nas mãos, não haviam mais motivos para palavras de amor, quanto mais atitudes de consideração.

Goneril falou sobre o pai: “É um velho inútil que pretende ainda exercer os poderes que já não lhe pertencem. Por mim, os velhos caducos voltam à infância, merecem repreensões e não carinho quando se vê que erram o caminho”.

O Rei Lear começou a se desesperar com os desmandos das duas filhas e desabafou: “Mais doloroso do que o dente de uma cobra é ter um filho ingrato”.

Era tarde demais para se arrepender.

Ao ir se aconselhar com o seu Bobo, este lhe dirige essas palavras: “Tu não devias ter ficado velho antes de ter ficado sábio”.

Para mim, é justamente o Bobo que faz as melhores reflexões no livro. De que serve a velhice se não para nos trazer pelo menos a sabedoria da experiência dos anos? De que serve a passagem do tempo se não para fazer com que reflitamos antes de agir impensadamente? E, mais uma vez, o Bobo, que de bobo não tinha nada, disparou: “Não havia nenhum juízo nessa coroa careca ou não teria doado tua coroa de ouro. Repartiste teu juízo à esquerda e à direita e acabaste ficando sem nada no centro”.

A sinceridade do Bobo fez-me lembrar a de Cordélia, a que o Rei não estava acostumado. Pois o seu posto deve ter-lhe rendido muitas lisonjas falsas e, provavelmente, a verdade não lhe era sequer sussurrada.

O Rei já tinha se voltado contra a filha mais nova. Mas, que faria contra o Bobo uma vez que nada mais lhe restava –  nem poder, nem coroa, nem reino?

“Agora és apenas um zero à esquerda. Valho mais do que tu; pelo menos sou um Bobo – tu não és coisa nenhuma.”

Neste momento, desejo ser Boba tantas vezes quantas se fizerem necessárias para falar a mim mesma as verdades que ninguém ousa me dizer, quer por amor, ódio ou indiferença.

O que se passa no decorrer da história, bem como seu final, não será aqui por mim revelado. É preciso ler o livro e tirar suas próprias conclusões.

Entretanto, fica o aprendizado do que pode nos ocorrer por excesso de confiança,  de sinceridade, por determos o poder, por sermos velhos sem sermos sábios ou jovens destemidos.

Este livro trata de relações familiares e de poder, onde existem a traição, a infidelidade, a deslealdade, o desamor, o interesse, a inveja, o orgulho, a maldade e tantos outros sentimentos ruins que nos fere e machuca.

Mas este livro conta também a história de uma filha leal e que, como Hamlet, morre em defesa e por amor ao pai. Este livro também nos apresenta o personagem Kent, amigo do Rei até as últimas consequências.Traz um ser que não sabe mentir num mundo de tanta enganação e que tem que se passar por bobo para poder ser sincero.

Ao final, reflito: caso o Rei Lear tivesse ficado sábio antes de envelhecer não teria sofrido tanto e perdido tudo, inclusive as filhas. Caso o Rei tivesse entendido o amor das filhas por meio de ações para com ele não teria acreditado em palavras vazias.

“Creio no amor como um verbo e não como um substantivo”. O verbo pressupõe uma ação. É na ação que mora o amor. (Até lembrei da fala de Jesus: “Eu sou o verbo”, como que dizendo “Ajam! Não apenas falem de mim, mas ajam como eu lhes ensinei”.)

Concluo com uma frase de Kent às irmãs Goneril e Regana: “Que as vossas ações confirmem os belos discursos – que as palavras de amor gerem atos de amor”.

As palavras proferidas pelas duas irmãs não geraram atos de amor para com o pai. Goneril e Regana não ouviram o conselho de Kent. Mas, diante da experiência e reflexão da leitura deste livro,  atrevo-me humildemente a me passar por Boba e vos aconselhar: “Façamos com que as nossas palavras não sejam vãs. Na dúvida entre falar e fazer, façam!”

Categorias

Sem categoria

leiturana Ver tudo

Meu nome é Ana Veiga, moro em Brasília e tenho paixão pela leitura e pela escrita. Ler e escrever são para mim "vícios desde o início". Leio por prazer. Escrevo por necessidade. E, nesse espaço, quero compartilhar com vocês os maiores ensinamentos que extraio dessas leituras. Espero que gostem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: